segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Arquivo da Falésia Azul - Caso 55

Caso 55:  A Visita de Pêsames de Dôgo

 

Dôgo e Zengen foram a uma casa para expresser pêsames. Zengen tocou no caixão e disse, “Isto é vida ou morte?” Dôgo disse, “Eu não digo vida, eu não digo morte.”

Zengen disse, “Por que não?”  Dôgo disse, “Não direi, não direi.”

No caminho de volta, Zengen disse, “Mestre, por favor diga-me imediatamente. Se você não disser, eu lhe baterei.” Dôgo disse, “Se você quer me bater, você pode me bater. Mas eu nunca direi.”

Por isso, Zengen o acertou.

Algum tempo depois Dôgo faleceu. Zengen foi a Sekisô e contou-lhe o que tinha acontecido.

Sekisô disse, “Não digo vida, não digo morte.” Zengen disse, “Por que não?”

Sekisô disse, “Não direi, não direi.” Com estas palavras, Zengen chegou repentinamente a uma visão interior.

Um dia, Zengen pegou uma enxada e caminhou no salão do Dharma de leste pra oeste e de oeste pra leste.

Sekisô disse, “O que você está fazendo?” Zengen disse, “Estou procurando os ossos sagrados do falecido mestre.” Sekisô disse, “Vagas gigantes em todos os lugares, cristas espumosas se avolumando até o céu. Que tipo de ossos sagrados de seu falecido mestre  você está procurando?”

(Setchô comentou, "Céus! céus!")

Zengen disse, "Isso foi muito bom para mim para ganhar poder.”

Taigen Fu[1] disse, "Os ossos sagrados do falecido mestre ainda estão lá."

 

[1] Ele era da linha do Dharma de Seppô.

Nenhum comentário:

Postar um comentário